© azymuth 2021 from smns.services
Alex Malheiros José Alexandre Malheiros Filho nasceu em 1946 do século passado no dia 19 de agosto. Vindo de uma família de músicos e artistas desde muito pequeno tentava subir e tocar o baixo acústico com três cordas de seu pai e já puxava as cordas soltas lembrado a canção  "Mercado Persa" sucesso da época. Ao seis anos começou teoria musical e piano com a professora Jacyra Müller em sua cidade natal Niterói, porém não chegou concluir o curso, "porém" seu tio Geraldo Malheiros músico e luthier o encaminho pra os caminhos do jazz e da boa música brasileira e de todo o mundo com lições e exemplos da mais alta qualidade. O tempo passou e o seu pai Zezinho Malheiros  financiouo seu primeiro baixo elétrico que foi feito por seu tio Geraldo. Não demorou para formar o seu primeiro grupo musical aos 15 anos de idade junto a seus amigos da mesma idade escolhidos por  ele em sua turminha no seu bairro. "Pynk Show" Sucesso nos bailes de formaturas, clubes, faculdades e escolas na sua  cidade, isso antes de existrir o afamado "Pynk Floyd"  mas aos 18 anos vai para o exército brasileiro a fim de ter um certificado de reservista e poder tirar um passaporte para  realizar o seu sonho de viajar pelo mundo com a música. Logo depois disso na cidade do Rio de Janeiro começa tocar na Boite Drink em Copacabana e logo após em 1966 parte para sua primeira Touné pelo Brasil  e Uruguai com a Orquestra Bucaresth do violinista Romeno Henry Pollack . Volta ao Rio e logo começa a acompanhar artistas como Eliana Pitmman e muitos outros artistas brasileiros e estrangeiros, como o inglês organista e cantor George Famme. Seu companheiro de trio Victor Manga grande baterista que o chama para ingressar no grupo Turma da Pilantragem onde começa amizade com grandes nomes da futura música brasileira como seu grande amigo José Roberto Bertrami que futuramente juntos fundaram o "Azymuth" e também Márcio Montarroyos, Raul de Souza, Ion Muniz, Fredera Guitarra, Regininha, Malu Balona, Dorinha Tapajós, Diagonais, Marito borges etc... depois disso a convite do mesmo Victor Manga junto a Atonio Adolfo, Luiz Cláudio Ramos , Biba e Julie Janeiro fundam  Antonio Adolfo & Brazuka, grava o LP mas não permanece porquê vai se integrar ao Ed Lincoln e seu conjunto a convite de Celinho Balona Trompete do conjunto e juntos a Durval Ferreira, Orlan Divo, Papão Batera, Wilson das Neves , Emilio Santiago, Tony Tornado e muitos outros: fica atė o final das atividades constantes dessa importante banda que era um sonho musical de Alex. Mas tudo muda, e quando está fazendo parte da primeira Banda de Tim Maia, tocando no Teatro da Praia, seu já amigo José Roberto Bertrami o convida para inaugurar a Boite Mounsieur Pujol de Elis Regina e mais um sonho se realiza, formar com o seu amigo Zé Roberto, Ivan Conti e Fabyola Sendino o Grupo Seleção de onde surge a ideia do "Azymuth"  o tempo passa e Alex, Bertrami e Ivan começam a gravar em estúdios com os mais importantes artistas dos principais selos da época e resolvem adotar o nome azymuth depois de um belo trabalho com Marcos Valle da trilha do documentário "O fabuloso Fittipaldi" de Hector Babenco, mais a história não termina aí, pois na verdade um outro tempo de muitas  históricas e gravações fazem do Azymuth um icone e uma grife respeitada em todo o mundo até hoje em tempos de Pandemia. Alex continua a gravar seus álbuns solos desde 1975 com o Atlantic Forest Fantasy Records, em 1992 Zenith Niterói Discos, Wave 2009 Far Out Recordings, Teatro dos Sons 2020 e se prepara para lançar mais um solo pela Far Out Recordings já pronto e mixado em 2019. Alex trabalha em seu Home Studio gravando trilhas de baixo para outros artistas através de vários países do mundo como Alemanha, Holanda, Estados Unidos em fim, Alex ainda acredita na música apesar da triste situação das Artes através do Governo no Brasil e a Pandemia através dos continentes